Ronaldinho não recebe parte dos salários há dois meses

Grande astro do Flamengo na temporada, Ronaldinho Gaúcho não recebe a maior parte do seu salário há dois meses. Nos vencimentos de setembro e outubro, a Traffic, empresa de arketing esportivo parceira do Flamengo na transação do jogador, não depositou a sua parte devido a um entrave burocrático na assinatura do contrato com o camisa 10.

A empresa deseja mudanças no memorando, espécie de resumo do contrato, assinado para agilizar a chegada do craque à Gávea, em janeiro. Justamente por isso, decidiu não mais depositar a sua parte enquanto o contrato não for acordado e assinado pelas partes.

– O memorando tem valor de contrato, mas não é um contrato. Ainda não formalizamos o documento por várias circunstâncias. Estamos trabalhando com força total para finalizar a redação. Esticou a corda. Ficar dois ou três meses com o memorando é até aceitável, mas seis, sete meses é preciso termos tudo por escrito. Até pelo alto valor do acordo – disse Fernando Gonçalves, diretor executivo da Traffic.

Por sua vez, o Flamengo alega que paga religiosamente em dia a sua parte devida no contrato. Mas reconhece que há uma discussão em curso para que tudo seja formalizado. Inicialmente, o acordo seria celebrado pouco tempo depois a chegada de Ronaldinho, mas houve uma mudança interna na empresa de marketing esportivo. Quem estava no comando da negociação do craque com o Flamengo era Júlio Mariz, substituído por Fernando Gonçalves, que exigiu novas garantias para a empresa diante do alto valor investido.

– Foi feito um memorando em janeiro com as bases para o futuro. Quando fomos assinar o contrato houve uma mudança administrativa na Traffic. Nossa parte está sendo paga em dia. Agora eles estão condicionando o contrato a algumas mudanças. Isso vem sendo discutido e creio que chegaremos a um acordo nos próximos dias. Por enquanto, não houve desgaste na relação com Ronaldinho – afirmou Rafael De Piro, vice-presidente jurídico do Flamengo.

No acordo celebrado em janeiro deste ano, Ronaldinho receberia cerca de R$ 1,2 milhão de salário. À Traffic, caberia cerca de R$ 1 milhão na transação. A reportagem tentou contato com Assis, irmão e procurador de Ronaldinho, mas não obteve sucesso.

ARGENTINA X BRASIL – Escalações e Trasmissão ao Vivo – Superclássico das Américas

Mano Menezes rejeita testar seleção olímpica contra os argentinos

No primeiro duelo do Superclássico das Américas, somente três titulares tem idade para estar em Londres-2012

Neymar é marcado por Mario Fernandes e Lucas: todos com idade olímpica

Um torneio amistoso contra o maior rival, que vale um troféu que não é disputado desde 1976 e que Mano Menezes descartou para início de preparação da seleção brasileira para uma competição que será chave para sua manutenção até a Copa do Mundo de 2014. Na noite desta quarta-feira contra a Argentina, em Córdoba (21h50 de Brasília), três jogadores que começam a partida terão idade para disputar as Olimpíadas de 2012 (menos de 23). É um esboço de time, que poderia ter mais opções já nove atletas foram convocados.

O lateral-direito Danilo (do Santos) e os atacantes Neymar (Santos) e Leandro Damião (Internacional) estarão ao lado de Ronaldinho Gaúcho, que pode até ser uma opção entre os três com mais de 23 anos que podem ir à Olimpíada, e de Renato Abreu, 33 anos, pela primeira vez convocado e grande surpresa no time titular. No banco ainda estarão outros seis jogadores com idade olímpica: o goleiro Rafael (Santos), o lateral-direito Mario Fernandes (do Grêmio), os volantes Casemiro (São Paulo) e Rômulo (Vasco), o meia Oscar (Inter) e o atacante Lucas (São Paulo).

Fred foi cortado por causa de lesão

“Temos nessa lista, nove jogadores com idade olímpica. Para que a gente mantenha a mesma ideia de coerência do trabalho. Continuamos pensando lá na frente. Continuamos querendo colocar os atletas que passaram pela sub 20. Já começamos com o Lucas e Neymar. Depois o Danilo, de forma isolada, e agora mais jogadores do título mundial”, disse Mano Menezes.

O problema de Mano para formar o time olímpico continua sendo a zaga. Dos quatro convocados para o jogo na Argentina, nenhum tem menos de 23 anos – desde agosto de 2010, quando o técnico fez a primeira convocação na seleção brasileira, somente um zagueiro com idade olímpica foi chamado, Breno, do Bayern de Munique. Neste momento é quase certo que um dos três acima dos 23 anos que irá a Londres é um zagueiro, provavelmente Thiago Silva, do Milan, ou até Lúcio, experiente capitão da seleção, de 33 anos e da Inter de Milão.

Ronaldinho Gaúcho, com 31 anos, pode até aparecer em lista olímpica

O setor ofensivo não preocupa, já que além dos garotos escalados para essa partida há ainda Alexandre Pato, do Milan, que não foi chamado para encarar a Argentina porque a data não é Fifa. CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e AFA (Associação de Futebol da Argentina) só puderam chamar atetas que atuam dentro do Brasil e da Argentina.

O Superclássico
Antigamente chamado de Copa Roca, em homenagem ao ex-presidente argentino Julio Roca, o torneio foi um mano a mano entre Brasil e Argentina disputado irregularmente até 1976 – o Brasil venceu oito vezes e a Argentina quatro. Rebatizado em 2011 de Superclássico, foi marcado para as cidades de Córdoba, nesta quarta, e Belém do Pará, dia 28 de setembro, apenas com atletas que atuam dentro dos países.

O técnico argentino Alejandro Sabella preferiu chamar atletas experientes, como Riquelme e Verón, para saber com quem poderá contar para as Eliminatórias da Copa do Mundo de 2014 – a Argentina não está classificada para Londres-2012 e, portanto, não precisa treinar time sub 23. Riquelme e Verón, porém, acabaram cortados por causa de lesões.

FICHA TÉCNICA
ARGENTINA X BRASIL

Data: 14 de setembro de 2011
Horário: 21h50 (de Brasília)
Local: Estádio Mario Alberto Kempes, em Córdoba (Argentina)
Árbitro: Enrique Osseas Zencovich (Chile)
Auxiliares: Patricio Basualto Vargas e Carlos Astroza Cárdenas (Chile)
Argentina: Orion; Dominguez, Desabato, Ré; Canteros, Pillud, A. Fernandez, Zapata e Papa; Martínez e Boselli
Técnico: Alejandro Sabella

Brasil: Jefferson; Danilo, Rever, Dedé e Kléber; Ralf, Paulinho, Renato Abreu e Ronaldinho Gaúcho; Neymar e Leandro Damião
Técnico: Mano Menezes

https://i0.wp.com/lh6.ggpht.com/-WPwmF8HwX0s/TkaVwFdle-I/AAAAAAAABkY/TYwjOY-0VNM/1.jpg

Emocionado, Ronaldo atribui adeus às dores e ao hipotireoidismo

Aos 34 anos, Fenômeno decide encerrar a carreira alegando não aguentar mais os problemas no corpo. Foram 471 gols como profissional, desde 1993

Chegou ao fim nesta segunda-feira uma das mais brilhantes carreiras da história do futebol. Aos 34 anos, Ronaldo não resistiu à intensa batalha diária contra os desgastes físicos acarretados pelas oito cirurgias ao longo da sua trajetória, relembrou um problema de hipotireoidismo e anunciou que não jogará mais profissionalmente. É o fim para aquele que eternizou a camisa 9 com um talento que, não por acaso, lhe rendeu o apelido de Fenômeno e se transformou em um mito mundial.

– Estou aqui para falar que estou encerrando a carreira como jogador profissional. E dizer que essa carreira foi linda, maravilhosa e emocionante – declarou Ronaldo, ao abrir o seu emocionante pronunciamento.

Em uma concorrida entrevista coletiva no CT Joaquim Grava, em São Paulo, o craque comunicou, exatamente às 13h02m, que não continuará atuando pelo Corinthians, clube com o qual tinha contrato até 31 de dezembro de 2011. Ronaldo assombrou o planeta aliando velocidade e técnica de forma nunca vista antes, mas sucumbiu ao tempo e ao próprio corpo. Agora, se dedicará à família, à vida de empresário, a um projeto social e à fortuna que acumulou sendo um gênio da bola.

Ronaldo chegou ao centro de treinamento às 10h30m, acompanhado de dois dos seus quatro filhos – Ronald e Alex. Vestido com traje casual, caminhou até o gramado onde os outros jogadores treinavam e parou a atividade. Por cerca de cinco minutos, discursou para companheiros, membros da comissão técnica e diretoria. No fim, todos o aplaudiram de pé e o abraçaram em uma cena comovente, que representa bem o respeito que todos têm por ele.

Ronaldo na coletiva de despedida (Foto: Marcos Ribolli / GLOBOESPORTE.COM)

Até a hora do anúncio oficial, o Fenômeno ficou nas dependências internas do CT se despedindo de funcionários e outros colegas. A cada adeus, a emoção tomava conta do jogador.

Ao explicar os motivos por ter antecipado o seu adeus, Ronaldo justificou usando dois fatores: o hipotireoidismo e as constantes dores.

– Todos sabem do meu histórico de lesões. Tenho tido, nos últimos anos, uma sequência de lesões que vão de um lado para o outro, de uma perna para a outra, de um músculo para o outro. Essas dores me fizeram antecipar o fim da minha carreira. Além disso, há quatro anos eu descobri, quando estava no Milan, que sofria de hipotireoidismo. É um distúrbio que desacelera o metabolismo e que, para controlá-lo, é necessário tomar alguns hormônios proibidos no futebol, por poder acusar doping. Imagino que muitos devam estar arrependidos por terem feito chacota sobre o meu peso, mas eu não guardo mágoa de ninguém.

O pronunciamento, que durou 45 minutos, foi recheado de emoção. Por diversas vezes, o craque precisou parar de falar para se concentrar e segurar as lágrimas. Várias partes do seu discurso foram pausadas, com interrupções para que pudesse respirar mais fundo. Num papel ele trazia algumas palavras que ensaiou em casa na noite passada, mas teve muita dificuldade em seguir o script. Ronaldo não conseguiu… e chorou.

Ronaldo Despedido Aplausos (Foto: Marcos Ribolli/GLOBOESPORTE.COM)

– Foi uma carreira linda, vitoriosa, emocionante… Tive muitas derrotas, infinitas vitórias, fiz amigos e não lembro de ter feito um inimigo. Tenho muitos agradecimentos a fazer. A todos os clubes em que passei: São Cristóvão, Cruzeiro, PSV, Barcelona, Inter de Milão, Real Madrid, Milan… O Corinthians eu agradecerei logo mais. Quero agradecer a todos os jogadores que atuaram comigo e aqueles que jogaram contra, aos que foram leais e aos que foram desleais também. Agradecer aos treinadores com os quais tive boa relação e aos que eu tive divergências. E também agradecer aos patrocinadores que sempre acreditaram em mim.

Para se distrair e tentar não deixar as lágrimas escorrerem, Ronaldo rabiscava um pedaço de papel, postava comentários no Twitter e brincava com os filhos, que estavam sentados numa cadeira ao lado. Alex, o caçula de 5 anos, chegou a se esconder embaixo da bancada, arrancando risadas do pai. Como prometido, o Corinthians teve um capítulo especial na hora do seu adeus.

– Tudo começou com um café da manhã com o presidente Andrés Sanches no Rio de Janeiro. Acreditei no projeto, demos um aperto de mão e eu falei para ele “pode trazer o contrato que eu assino até em branco se precisar”.

Ronaldo na coletiva de despedida (Foto: Marcos Ribolli / GLOBOESPORTE.COM)Ao lado dos filhos Alex e Ronald, o Fenômeno falou e se emocionou durante 45 minutos
Muitos devem estar arrependidos por fazer chacota sobre o meu peso. Tenho hipotireoidismoe preciso tomar um hormônio que é proibido no futebol “
Ronaldo

Ronaldo foi apresentado como reforço do Corinthians em dezembro de 2008. Era o principal nome do projeto de reconstrução do clube, que acabava de voltar de um doloroso rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro, quando jogou a Segunda Divisão e retornava à elite. Pelo Timão, Ronaldo esteve em campo 69 vezes, marcou 35 gols e ganhou dois títulos em 2009: o Paulistão e a Copa do Brasil.

A perda de duas Libertadores, 2010 e 2011, foram os seus piores momentos. A última, inclusive, culminou numa reação violenta de parte da torcida. No retorno da Colômbia, onde o time foi eliminado ainda na primeira fase, o ônibus da delegação foi apedrejado, os atletas foram insultados e os muros do clube acabaram pichados. Ronaldo, claro, foi o principal alvo.

– Tenho de fazer meu agredecimento a todos os brasileiros que choraram comigo quando eu chorei e que caíram comigo quando eu caí. Mas, dessa torcida brasileira toda, eu quero agradecer a do Corinthians. Nunca vi uma torcida tão vibrante, tão apaixonada e tão entregue ao seu time de futebol. É certo que em algumas vezes essa cobrança por resultado a torna agressiva e fora do controle. Mas eu não me imaginava viver sem o Corinthians. Agradeço ao Andrés, que é meu irmão, e digo que continuarei ligado ao clube da maneira que ele quiser. Muitas vezes vocês vão me encontrar torcendo pelo Corinthians no estádio. Aproveito e peço desculpas publicamente pelo fracasso no trajeto da Libertadores.

Ao longo da carreira, ele balançou as redes 471 vezes, contando as passagens por Cruzeiro, PSV, Barcelona, Inter de Milão, Real Madrid, Milan, Corinthians e Seleção Brasileira. O Fenômeno foi também eleito três vezes o melhor jogador do mundo pela Fifa e deixa o futebol com o status de maior artilheiros das Copas do Mundo e com dois títulos da principal competição do planeta – em 1994 como reserva e em 2002 como estrela.

Já na condição de ex-jogador, o Fenômeno tem planejado o que fará da sua vida. Empresário, vai cuidar dos seus negócios. Em julho ele pretende reunir amigos para uma despedida oficial. E, em breve, anunciará a criação de um instituto social chamado “Criando Fenômenos”. Acostumado a deixar para trás seus adversários, Ronaldo encerra sua carreira por causa de um obstáculo bem mais próximo, citado em uma frase emblemática:

– Perdi para o meu corpo.

Obrigado, Ronaldo

Como se define um super-herói? A definição clássica é que ele “é um personagem fictício sem precedentes das proezas físicas dedicadas aos atos em prol do interesse público”. Somente por um detalhe podemos afirmar que Ronaldo não é um “herói”: ele não é fictício.

A história do craque poderia ser contada pela ótica do menino pobre que começou no São Cristovão e em pouco tempo conquistou o mundo e as torcidas do Cruzeiro, do PSV, Barcelona, Inter de Milão, Real Madrid, Milan e Corinthians. Mas não dá. Ronaldo é mais.

Poderia ser contada pelo craque que viveu momentos de dor, com nada menos do que cinco contusões graves, o que lhe custaram mais ou menos três anos e meio parado em recuperação, mas que sempre voltou e calou todo e qualquer crítico que duvidasse de seu potencial. Mas não é só isso. Ronaldo é mais.

A história poderia ser contada pelo fenômeno que após se levantar de mais uma contusão (19 meses parado) levou o Brasil ao pentacampeonato em 2002, e que quatro anos mais tarde se tornaria o maior artilheiro da história das copas do mundo, com 15 gols em quatro participações, sendo que em 1994 sequer entrou em campo. Mas Ronaldo é mais.

Por tudo isso e por muito mais, podemos dizer que ele é um herói da vida real. Um que lutou todos os dias para ser melhor e para superar cada adversidade que cruzou seu caminho. E sempre conseguiu. Um jogador que mais do que o futebol, foi embaixador da ONU e lutou por um mundo mais justo. E mais do que isso, que sempre encantou a todos com seus dribles e seus gols.

Todos nós temos a estranha mania de valorizar o passado e minimizar o presente. Se hoje falamos “nos tempos de Pelé”, com certeza absoluta as gerações futuras falarão “dos tempos de Ronaldo”. É uma questão de tempo.

Este texto poderia ser encerrado de várias formas. Mas nenhuma seria tão clara como dizer:

Obrigado por tudo, Ronaldo, nosso eterno fenômeno.

Dunga confirma time para jogo contra o Chile e diz torcer por Ronaldo

Em entrevista coletiva após o último treino da seleção brasileira na Granja Comary, em Teresópolis, o técnico Dunga confirmou o time que vai enfrentar o Chile, no próximo domingo, pelas sétima rodada das eliminatórias para Copa de 2010.

A escalação para o duelo deste final de semana será a mesma usada nos dois coletivos: Julio César; Maicon, Lúcio, Luisão e Kléber; Gilberto Silva, Josué, Diego e Robinho; Ronaldinho Gaúcho e Luis Fabiano.

Perguntado sobre Ronaldo, que se recupera de uma cirurgia no joelho esquerdo, Dunga disse que o Fenômeno é um grande jogador e que torce por sua recuperação.

O tetracampeão também afirmou que a seleção chilena, que está em quarto lugar nas eliminatórias – uma posição à frente do Brasil -, vive uma ótima fase.

Fonte: Globo Esporte

Dia de treino de Ronaldinho tem pose indiscreta e drible no chefe

Agência/EFE

Ronaldinho Gaúcho, Júlio Baptista e Dunga fazem alongamento no início de um dos treinamentos desta quarta-feira na Granja Comary

Agência/EFE

O craque suou nos preparativos para o jogo deste domingo, contra o Chile, em Santiago

Agência/EFE

Com a bola nos pés, Ronaldinho arriscou até um drible no técnico Dunga

Ronaldinho tem boa estréia, mas não impede vexame do Milan no San Siro

Agência/Reuters

Ronaldinho Gaúcho agradece o apoio da galera

Animados torcedores do Milan lotaram o Estádio San Siro para a estréia de Ronaldinho e a volta de Shevchenko. Mas o Bologna não foi um convidado educado e aprontou para cima do time da casa no Campeonato Italiano. A vitória por 2 a 1 foi um banho de água fria nos milaneses que, de bom, tiveram uma pequena demonstração do talento de Ronaldinho. O brasileiro foi bem até os 15 minutos da etapa final, mas depois cansou e diminuiu o ritmo.

O início de jogo do Milan foi bom. Principalmente por causa de Ronaldinho Gaúcho. Pelo lado esquerdo de ataque, ele criou boas jogadas e se movimentou bastante. Aos 15, teve a sua primeira chance de gol. De fora, chutou fraco, para defesa tranqüila de Antonioli. Dois minutos depois, o atacante Di Vaio, do Bologna, mostrou como se deve fazer quando se fica de frente para o gol. O chute de perna esquerda saiu se defesa para Abiatti. 1 a 0 Bologna.

Tentando a reação, o Milan concentrou seu jogo em Ronaldinho. Aos 34 minutos, o craque deu passe magistral para Inzaghi. Sozinho, o atacante italiano driblou o goleiro Antonioli, mas chutou para fora, perdendo chance incrível. Aos 41 minutos, porém, saiu o empate. Mais uma vez o Gaúcho, agora em excelente cruzamento da esquerda para Ambrosini. O volante subiu com estilo e cabeceou bem, estufando as redes dos visitantes.

O segundo tempo foi semelhante, com os milanistas pressionando a todo o instante. Muito acionado, Ronaldinho dava bons passes, mas seus companheiros não estavam inspirados. Aos 23 minutos, Carlo Ancelotti colocou Alexandre Pato em campo, para formar dupla ofensiva com Shevchenko, que havia entrado no intervalo.

Entretanto, a zebra passeou em San Siro e foi o Bologna que marcou novamente. Aos 32 minutos, Valiani soltou um míssil de fora de área. A bola entrou no ângulo esquerdo, um golaço.

Na base do abafa, os rubro-negros partiram para o tudo ou nada, cruzando diversas bolas na área. Porém, o esforço foi em vão. Valeu pela boa partida de Ronaldinho Gaúcho, mas o resultado passou longe do previsto.

Resultados da rodada

Udinese 3 x 1 Palermo

Sampdoria 1 x 1 Inter de Milão

Milan 1 x 2 Bologna
Roma 1 x 1 Napoli
Atalanta 1 x 0 Siena
Cagliari 1 x 4 Lazio
Catania 1 x 0 Genoa
Chievo 2 x 1 Reggina
Torino 3 x 0 Lecce

Fiorentina x Juventus – Ainda neste domingo

Fonte: Globo Esporte